<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37485113\x26blogName\x3dmonoGAMEco\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttps://monogameco.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://monogameco.blogspot.com/\x26vt\x3d7037107917678615662', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
 


Ah, como sinto saudade dos anos 90. É só começar a fuçar nos sites de abandonware que bate aquela sensação nostálgica e a vontade de ser criança de novo e esquecer todas as preocupações da vida adulta.

Vou começar o saudosismo contando uma das histórias mais absurdas que já aconteceram comigo. No comecinho de 1996, quando eu tinha ainda 11 anos, ganhei meu primeiro computador e enfiei meu já velhinho Mega Drive no fundo da gaveta. Na verdade, meses depois, vendo aquele console empoeirado e provavelmente quebrado, minha mãe decidiu botá-lo na lixeira. E o pior: com o meu consentimento! Eu simplesmente não ligava, pois estava muito feliz e de nariz empinado com o meu computador novo. Calma lá... eu não era todo sem coração. Pelo menos o bichinho não estava DENTRO do saco de lixo, e sim em cima. :)

Minutos depois da minha mãe ter colocado o “lixo” na lixeira em frente de casa, nem sinal do Mega Drive – alguém havia levado meu filhote. Eu, esnobe com meu computador, nem ligava. No dia seguinte (ou foi no mesmo, não me lembro), vou à cabelereira e não pude deixar de ouvir às fofocas – afinal, estava no lugar mais adequado para isso. “É, tem uma casa dando videogame”, dizia a senhora, e todas as outras chocadas. Na ocasião, eu não pude conter o riso. Hoje eu choro. Pobre Mega Drive! Me ofecereu horas de diversão com alguns dos jogos mais clássicos da história. Retribui jogando-o em meio às cascas de bananas, restos de comida, vermes e moscas. A Sega não merecia tamanho desrespeito - pelo menos não naquela época. Hoje ela desrespeita a si mesma.

Fiquei profundamente arrependido alguns dias depois. Não muito tempo após o incidente, minha mãe me consultou, dizendo que daria o mesmo destino ao Master System. Daí eu retruquei e o deixei guardadinho no meu quarto – no fundo da gaveta, mas guardadinho.

Deixe seu comentário clicando aqui .



There

  1. Anonymous Bicho do Mato | 28/12/06 11:17 |  

    Em primeiro lugar parabéns pelo blog, o sistema de bloqueio de sites aqui no trampo me faz garimpar na net e achar coisas boas como essa.
    Em segundo, ai como eu queria ter um mega-drive, apenas tive um atari depois somente um ps2 no inicio do ano passado. "Meus pais diziam que Vg só se eu comprasse com meu din!"
    O fato de ter liberado o mega para outra pessoa foi legal, mas deveria ser intencional, o filho da empregada ou diarista iria agradecer!!!

  2. Anonymous luan | 31/12/06 12:02 |  

    hey!
    o meu megadrive só foi pras profundezas do armário mais obscuro da casa quando um conserto nele já era algo meio inimaginável.
    fiquei bem chateado quando nao pude mais jogá-lo. o 386 lá de casa nao era páreo para o sonic.